Como se dá a mudança na matriz energética?

Compartilhe este artigo

O Brasil e o mundo precisam de energia, afinal, essa é uma demanda que não para de crescer. Mas ao mesmo tempo, essa busca parece ir de encontro a outro propósito urgente do planeta: a redução nas emissões de CO2 e toda preocupação com as alterações climáticas que tanto assombram nosso futuro.

Como solucionar esse quebra-cabeça cujas peças parecem não se encaixar?

Uma das soluções, que já tem sido colocada em prática inclusive com o apoio da Proper Marine, é a opção por uma mudança na matriz energética.

Conheça agora um pouco mais sobre esse grande desafio, que busca beneficiar a sociedade como um todo.

Fonte da foto: Unsplash

O que é a matriz energética e por que ela precisa ser alterada?

Damos o nome de matriz energética para o conjunto de fontes disponíveis em um país, estado ou mundo para suprir toda a demanda de energia, segundo define a Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Vale dizer que as matrizes energéticas mundial e brasileira são bastante diferentes.

No caso do conjunto das fontes de energia mais utilizadas no mundo, a grande maioria é composta, principalmente, por fontes não renováveis, como carvão, petróleo e gás natural – somando quase 88% do total. Os outros 12% representam a energia renovável, proveniente de fontes como solar, eólica e geotérmica.

Já a matriz energética brasileira, que também é majoritariamente formada por fontes não renováveis, é um pouco mais equilibrada: enquanto petróleo, gás natural e outros representam 51,7% do total, os outros 48,3% são de energia renovável, obtida pela lenha e carvão vegetal, hidráulica, derivados de cana e outras.

No entanto, esses valores precisam ser melhores – basta notar o quão sujeitos a importação de derivados de petróleo e gás temos ficado.

Os avanços na matriz energética brasileira

Mas vale dizer que não é de hoje que o Brasil se preocupa com a alteração em sua matriz energética, sendo inclusive líder e exemplo mundial nesse tipo de transição para energias mais limpas.

Embora seja majoritariamente utilizador de uma fonte renovável, a recente energética brasileira evidenciou a dependência do sistema hidrelétrico no país. Por isso outras soluções têm ganhado força e sido implementadas e desenvolvidas por aqui.

Algumas das mais utilizadas envolvem o etanol hidratado e anidro, produtos que podem ser adicionados à gasolina, biodiesel, diesel verde e diesel fóssil, bem como o uso de frotas elétricas.

Como parte da expansão do uso de biocombustíveis, foi lançado o RenovaBio, programa considerado exemplo global por ser o maior planejamento envolvendo a descarbonização dos transportes no mundo todo.

Outro programa brasileiro recente, lançado em 2021, foi o Combustível do Futuro, que busca reduzir a quantidade de combustíveis fósseis na matriz energética brasileira. Ano em que também foi criado o Programa Nacional do Hidrogênio, cujo princípio é estimular o uso de hidrogênio verde.

Fonte da foto: Unsplash

O mercado de energia renovável

Fonte da foto: Canva

Um segmento que tem crescido a passos largos dentro do mundo da energia renovável é a geração eólica. Atualmente, são 695 parques no Brasil, sendo a grande maioria na região nordeste.

E há projetos consistentes para a sua expansão, que incluem usinas eólicas offshore, já em avançada fase de licenciamento.

Vale destacar também a energia solar, que embora seja responsável por somente 2% da matriz atual, praticamente viu dobrar sua participação entre 2019 e 2020, segundo a EPE – os valores saltaram de 1% para 1,7%.

De acordo com o Ministério de Minas e Energia, as fontes de energia renovável devem ser mais de 80% da matriz energética brasileira até 2030 e 85% em 2050. “Tais resultados serão alcançados com o aproveitamento, pelo país, de seus potenciais eólico, solar e de biomassa, bem como em decorrência de todo esforço já estabelecido pelas políticas públicas, além da mudança do perfil do consumidor brasileiro, que vem buscando economicidade e aprimoramentos tecnológicos nas soluções de suprimento de energia elétrica”, declarou André Osório, diretor do Departamento de Informações e Estudos Energéticos do Ministério.

Dada a grande importância que a alteração na matriz energética tem, essa mudança se tornou uma causa na qual a Proper Marine também está profundamente engajada.

Visite nosso site e entre em contato com nossos profissionais para conhecer mais sobre nossas soluções de engenharia de projetos e consultoria naval e offshore.

Veja mais